Categoria Blog

Fralda Ecológica, Reutilizável, Moderna?

Calma! Vamos conversar rapidinho! Lembra da calça plástica, calça enxuta? A Fralda Ecológica é uma versão moderna daquelas peças usadas antigamente. Apesar do conceito ser o mesmo, muita coisa mudou na concepção da peça. Hoje ela é mais confortável, mais bonita, versátil e durável. Sem contar que, graças aos tecidos pensados para atividades esportivas, a pele do bebê fica em contato com camadas secas e não tem aquela sensação de “ensopado” de antes. E mais, nós da Amarelinha oferecemos um produto que consegue atender a cada criança em sua individualidade, pois a nossa fralda possui um sistema de ajustes por meio de botões (caseado e de pressão) que permitem uma adequação perfeita à anatomia do bebê.

Cuidado e respeito são fundamentais desde os primeiros dias do bebê, pensando nisso, oferecemos opções de tecidos internos para que a família faça escolhas certas para a pele sensível do seu filho. Afinal, cada criança, apresenta um tipo de adaptação.

A Fralda possui uma camada interna de tecido impermeável e é este tecido que impede que o xixi molhe a roupa do bebê. Os impermeáveis devem ser cuidados com carinho para garantir a durabilidade da peça, por isso, a Fralda não deve ser torcida ou esfregada a mão e nem deixada esturricando ao sol. A parte externa da fralda que é essa que a gente vê nas fotos é feita com tecidos de biquíni ou fitness e deixam o produto lindo, fofo, charmoso e cheio de alegria. E como qualidade nunca é demais, este tecido possui proteção UV 50+.

Para onde vai o Xixi?

A Fralda possui um bolso que fica entre o tecido de contato com a pele e o impermeável, neste bolso você vai inserir o absorvente. Absorvente? Sim, o absorvente é o tecido que irá absorver este xixi, e ele pode ser de diversos materiais, desde os mais sofisticados até aquela toalha antiga que você tem em casa e resolveu reutilizar. Eles também são laváveis assim como as Fraldas e você vai escolher o modelo, tamanho e quantidade a ser usada de acordo com a idade/peso do seu bebê.

Viu só? Um pouco de dedicação e você tem como resultados: economia, respeito ao meio ambiente e conforto para seu bebê.

O que é Abordado num Grupo de Gestantes?

Confira alguns aspectos que são abordados nas ações educativas nos grupos de gestantes:

  • importância do pré-natal;
  • cuidados de higiene;
  • prática de atividade física na gestação, de acordo com os princípios fisiológicos específicos para gestantes;
    orientação nutricional (alimentação saudável, suplementação de ferro, ácido fólico e vitamina A, em áreas endêmicas);
  • desenvolvimento da gestação (etapas);
  • modificações corporais e emocionais;
  • medos e fantasias referentes à gestação e ao parto;
  • prática de atividade sexual, incluindo prevenção das DSTs/AIDS e aconselhamento para o teste anti-HIV;
  • sintomas comuns na gravidez e orientações para as queixas mais frequentes;
  • sinais de alerta e o que fazer nessas situações (sangramento vaginal, dor de cabeça, transtornos visuais, dor abdominal, febre, perdas vaginais, dificuldade respiratória e cansaço);
  • preparo para o parto: planejamento individual, transporte, recursos necessários, apoio familiar e social;
  • orientações e incentivo para o parto normal, resgatando-se a gestação, o parto, o puerpério e o aleitamento materno como processos fisiológicos;
  • orientações e incentivo para o aleitamento materno e orientações específicas para as mulheres que não poderão amamentar;
  • importância do planejamento familiar;
  • sinais e sintomas do parto;
  • cuidados após o parto com a mulher e com o recém-nascido, estimulando o retorno aos serviços de saúde para consulta de puerpério e puericultura;
  • importância dos testes de triagem (teste do pezinho, teste do olhinho, teste da orelinha) e das vacinas;
  • orientações sobre saúde mental e violência doméstica;
  • benefícios legais a que a mulher tem direito, incluindo a Lei do Acompanhante;
  • importância da participação do pai durante a gestação e o parto para o desenvolvimento do vínculo entre pai e filho, fundamental para o desenvolvimento saudável da criança.

Exercício na Gestação. Eu posso?

O barrigão não é desculpa para muitas mulheres que continuam pegando firme na malhação durante a gestação.

Mas até que ponto a atividade faz bem para a saúde da mãe e do bebê? Na opinião das especialistas ouvidas pelo site Terra , os exercícios só fazem bem para mulheres nesta condição – desde que feitos com moderação.

Valéria Castro, professora de condicionamento físico do Programa Futura Mamãe da academia Competition, explica que o primeiro passo é conseguir a liberação médica, para garantir que não há nenhum risco.

As recomendações não diferem muito das direcionadas a uma pessoa em condições normais que frequenta uma academia. Nunca malhar em jejum, tentar comer de três em três horas, usar roupas confortáveis.

Além disso, o que ajuda muito a tornar tudo mais fácil é buscar a atividade que gosta, lembra Rosiane Mattar, membro da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo.

Saiba mais sobre as vantagens de continuar ou começar um programa de atividades durante a gravidez; os riscos vindos dos exageros e as atividades menos ou mais indicadas.

Benefícios
Segundo Valéria, no período gestacional o corpo da mulher passa por muitas mudanças hormonais, além de ter aumento de líquido e do fluxo sanguíneo. Tudo isso, combinado à mudança de eixo do corpo, faz com que a mulher se sinta mais cansada. “O exercício físico ajuda a fortalecer a musculatura e também traz mais disposição para as atividades do dia a dia. Além disso, as atividades ajudam a futura mamãe a ter mais consciência corporal e aumentar a tolerância à dor, o que pode ser importante na hora do parto”, observa.

Com a rotina de exercícios, a gestante também controla o peso e a pressão arterial e previne a diabetes gestacional. “A atividade promove a melhora da absorção do açúcar no sangue. Você usa a glicemia como forma de energia, ou seja, usa mais o açúcar que ficaria livre no sangue”.

De volta à antiga forma
A professora Valéria afirma que as mães que seguem uma dieta alimentar equilibrada e se mantêm em movimento ganham, em média, 10 kg durante a gestação, que são eliminados geralmente logo nos dois primeiros meses após o nascimento do bebê. “O fato de ter feito atividade física faz com o que o corpo volte mais rápido”, afirma.

Já para as mulheres que sempre passaram longe da academia, inclusive durante o período da gravidez, voltar à forma antiga é mais difícil. A professora calcula que em média elas levam um ano para voltar à forma.

Um bom incentivo para quem nunca foi fã de exercícios é que mesmo as mulheres que só malharam durante a gestação conseguem ver alguns resultados. “Elas ganham massa muscular, mesmo com treinos mais leves”, diz. Sendo assim, a chegada de um filho pode ser uma boa “desculpa” para incorporar os exercícios físicos na rotina.

Cuidado com os exageros
Rosiane afirma que, para as grávidas, vale evitar exercícios com exposição ao sol e também os de alto impacto. O ideal é que ela não aumente muito a frequência cardíaca. “Ela não pode fazer exercícios que a cansem tanto e que aumentem a temperatura do corpo”, afirma.

Os principais riscos para a mãe, segundo ela, são as lesões de articulação e musculatura. Já para o bebê, pode ocorrer a restrição do crescimento ou um parto prematuro.

Sendo assim, vermelhidão, transpiração excessiva, taquicardia e tontura são as ‘bandeiras vermelhas’ de que a gestante está pegando pesado demais. Um indicador simples recomendado por Rosiane pode ser um termômetro eficaz. “Se a pessoa está conseguindo conversar enquanto faz atividade, está tudo bem”, explica.

Lembrando que as atividades devem ser sempre moderadas. A frequência indicada pela profissional é de quatro a cinco vezes por semana, meia hora por dia.

Atividades mais indicadas
A professora Valéria fala quais são as atividades mais e menos indicadas durante o período da gestação. Confira.

Hidroginástica
De acordo com Valéria, a atividade trabalha força, resistência muscular e a parte cardiovascular. “A água tira o peso corporal e fica mais fácil, reduz impacto e fica muito mais leve pra gestante”.

Musculação
São exercícios que ajudam o fortalecimento do corpo em geral. A especialista ressalta a importância, nesta modalidade, de se controlar pressão arterial e frequência cardíaca que não deve ultrapassar os 140 por minuto. “Ela deve sentir ardência muscular, mas não pode ficar ofegante ao realizar no final”, diz, explicando que a frequência do bebê já é muito alta, por isso, se a mãe pegar pesado pode aumentar ainda mais o quadro.

Ioga
Boa atividade para melhorar a respiração da futura mamãe. Outros benefícios são os exercícios de relaxamento e de fortalecimento da pelve. Algumas escolas têm aulas específicas para gestantes. Mas em uma aula regular, basta avisar o professor sobre a condição e pedir para movimentos que se adaptem mais facilmente à anatomia da grávida.

Natação
Além de trabalhar a parte cardiovascular, a natação é um exercício de baixo impacto e que trabalha todos os músculos.

Alongamento
“Super importante porque, conforme a maturidade gestacional, vão ocorrendo mudanças com relação à gravidade, o centro de equilíbrio da mulher. Então o alongamento alivia bastante as dores que aparecem em consequência disso”, recomenda Valéria.

Pilates
De acordo com a professora, quem já pratica Pilates não precisa parar. Porém, vale ressaltar que muitas posições não vão ser confortáveis para a gestante. Além disso, ela não recomenda exercícios que focam na isometria muscular, que é o caso de alguns movimentos do pilates. “Com isso, você pode obstruir de certa forma a cavidade venosa, então quando solta o músculo solta também um volume de sangue de uma vez só”, explica. Por isso, o ideal é pedir orientação do professor para apostar nos movimentos certos.

Abdominal
Os exercícios focados nos músculos do abdômen são indicados para fortalecer a região, o que traz benefícios especialmente para as mulheres que optam pelo parto normal. Além disso, Valéria afirma que a prática previne as dores na coluna e facilita a recuperação da barriga depois do nascimento. Vale consultar o médico para certificar-se se há risco de diástese, que é o aumento do ligamento do músculo do abdômen. Caso a mulher tenha propensão ao problema, é melhor não fazer este tipo de exercício.

Spinning
Controlando a frequência cardíaca, é possível fazer esta atividade até o final da gestação. No entanto, ele deve ser feito com algumas restrições, como a adaptação da postura. “O spinning é um exercício aeróbico, melhora o condicionamento cardiorrespiratório, e usa como fonte de energia a gordura, auxiliando o controle do peso e e a pressão arterial”, observa.

Caminhada
Segundo Valéria, a caminhada é recomendada do começo ao fim da gravidez. “Além dos benefícios gerais, a redução da pressão arterial e o controle de peso, o fato de estar em pé caminhando faz com que a mulher melhore a dilatação, então alguns médicos recomendam até o finalzinho, desde que ela não tenha nenhuma restrição”, recomenda.

Dança
A dança é uma boa pedida durante a gravidez, mas sempre lembrando que é considerada uma atividade aeróbica e que, além disso, exige flexibilidade. Para evitar um rompimento de fibra indesejado, a professora avisa que o alongamento exigido nas aulas deve ser com fins de relaxamento, e não para ter ganho de performance.

Treinamento funcional
É indicado, mas precisa ser adaptado especialmente nos movimentos que exigem equilíbrio. “Por conta da mudança de ponto de gravidade, a mulher fica com uma postura diferenciada. Deve tomar cuidado com a postura para não compensar o peso de forma errada”, aconselha

Dicas de Amamentação

“Grande parte das mulheres sonha em amamentar seu bebê e quando engravidam já se preparam para esse processo e momento tão incrível. Porém na prática nem sempre é tudo um sonho e a mulher pode apresentar muita dificuldade para conseguir alimentar seu bebê e se não tiver um preparo psicológico e um apoio emocional pode vir a desistir facilmente. Por isso se seguido alguns procedimentos antes mesmo do bebê nascer preparando o seio e seguir as dicas de amamentação após o nascimento pode ser suficiente para driblar as dificuldades. Obviamente as dicas devem ser colocadas em prática junto com o desejo da mãe em amamentar o seu bebê e da persistência.”

Procure participar de cursos de amamentação , o Espaço Jah’Lys possui uma consultora de amamentação.

Trecho Retirado do site https://www.trocandofraldas.com.br/dicas-de-amamentacao/